terça-feira, 29 de novembro de 2016

LUTO

O basquete de São José do Rio Pardo do clube Rio Pardo Futebol Clube/DEC se solidariza com a equipe da Chapecoense. Meus sentimentos a todos os familiares dos atletas, torcida, comissão, funcionários e diretoria.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CAMPO MOURÃO VENCE A PRIMEIRA EM CASA

Go Campo!

Superior no segundo tempo, Campo Mourão tira desvantagem de 10 pontos, bate Macaé no Belin Carollo e conquista sua primeira vitória em casa no NBB CAIXA


Pela primeira vez o torcedor mourãoense viu de perto uma vitória de seu time no NBB CAIXA. Na tarde deste sábado, o Campo Mourão Basquete levou a melhor sobre o Macaé Basquete, pelo placar de 71 a 68, e proporcionou ao público paranaense o primeiro triunfo no Ginásio Bellin Carollo. Com isso, a equipe voltou a vencer após a derrota para o Flamengo na última rodada.
O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio master da CAIXA, o patrocínio da SKY e os apoios do Ministério do Esporte e da Avianca.
Trio de ferro: Douglas Nunes, Betinho e Cauê Verzola foram “os caras” do Campo Mourão. Juntos, os três atletas totalizaram 43 pontos e foram responsáveis por 60,5% dos pontos da equipe vencedora. Douglas fez 17 pontos, Betinho com 15 pontos e Cauê com 12 tentos e mais seis assistências.
Põe na conta: Com o resultado, o representante do Estado do Paraná acumulou seu terceiro triunfo em cinco partidas no NBB CAIXA (60% de aproveitamento). Por sua vez, o Macaé foi derrotado pela quarta vez e é um dos únicos que ainda não sabe o que é vencer na competição, assim como o Banrisul/Caxias do Sul Basquete.
E agora: Depois de se reencontrar com a vitória, o Campo Mourão terá como próximo compromisso o EC Vitória, na próxima quarta-feira (30/11), novamente no Ginásio Belin Carollo, às 20h15 (de Brasília). No dia seguinte (01/12), será a vez do Macaé entrar em quadra para enfrentar o Paulistano/Corpore, em casa, no Ginásio Juquinha.
Tentaram…. Em seu reencontro com o Campo Mourão, onde foi cestinha da Liga Ouro 2015, o ala Schneider, do Macaé, foi o cestinha do confronto, com 21 pontos. Junto dele, o armador norte-americano Kendall Anthony também se destacou do lado macaense, com 15 pontos.
… e muito: No entanto, a dupla não teve bom aproveitamento nas finalizações. Nas bolas de 2, somaram 19 tentativas e apenas cinco acertos (26,3%). Já nas de 3, sete convertidas em 25 arremessadas (28%).
Números inferiores: O Campo Mourão terminou a partida com mais bolas perdidas que o Macaé (17 contra 10), pegou menos rebotes (41 contra 44) e ainda permitiu 19 ofensivos ao adversário. Além disso, roubou menos bolas (2 contra 5) e menos volume (168 tentados contra 192). Mas…
Precisão superior: Mesmo assim, ganhou o jogo através da eficiência nas finalizações. Nas bolas de 2, foram 42,9% de aproveitamento (12/28) contra 34% dos macaenses (16/47). Já nas bolas de 3, foram 35,7% (10/28) contra 28% (7/25). E nos lances livres, os mourãoenses contabilizaram 77,3% (17/22) contra 65,2% (15/23) dos visitantes.
Campo na frente: A equipe da casa iniciou o confronto com tudo e abrindo logo 7 a 1. Depois de ver o Macaé encostar, os paranaenses tornaram a colocar boa diferença (17 a 9), mas os visitantes correram atrás novamente e fecharam o primeiro quarto com três pontos atrás: 17 a 14.
Virada macaense: O Macaé manteve o bom ritmo no final da parcial anterior e vem um belo segundo período. Com pontaria certeira de Schneider, a equipe do litoral norte fluminense venceu o quarto por 19 a 8 e não só passou à frente no placar como ainda abriu oito pontos ao final do primeiro tempo: 33 a 25.
Nova virada: Pelo jeito a bronca foi grande no vestiário do Campo Mourão, pois a equipe voltou com postura diferente para o terceiro quarto. Depois de ver o Macaé abrir dez pontos logo no início da parcial (35 a 25), o esquadrão do técnico Emerson de Souza foi tirando a diferença aos poucos, retomou a ponta do placar e caminhou para os dez minutos finais vencendo, por 51 a 47.
Confirmou: Desde o início do último quarto o time mourãoense conseguiu manter uma vantagem confortável no placar e controlar o Macaé. Com isso, a equipe da casa colocou a diferença na casa dos dez pontos e segurou até o final, mesmo com a investida do clube fluminense, que cortou a margem para apenas três pontos no final da partida.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

CAMPO MOURÃO PERDE PARA O ATUAL CAMPEÃO FLAMENGO

Téc. Emerson do Campo Mourão Basquete

Dupla fantástica!


Marcelinho Machado e Marquinhos combinam para 58 pontos, e Flamengo vence Campo Mourão fora de casa para manter os 100% no NBB CAIXA 16/17
O Flamengo segue imbatível neste início de NBB CAIXA. Mas para a manutenção da invencibilidade, o atual tetracampeão contou com atuações absurdas de Marcelinho Machado e Marquinhos, que juntos fizeram 58 dos 90 pontos da equipe na vitória sobre o Campo Mourão, fora de casa, em pleno Ginásio de Esportes Belin Carolo, por 90 a 69.
O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio master da CAIXA, o patrocínio da SKY e os apoios do Ministério do Esporte e da Avianca.
M de Mitos! Marcelinho Machado e Marquinhos foram sensacionais na noite desta quinta-feira. Juntos, os dois combinaram para 58 pontos e fizeram nada menos de 64,4% dos pontos Flamengo na partida. Marcelinho fez incríveis 25 pontos somente no terceiro quarto e terminou o jogo com 30. Já Marquinhos foi dominante em quadra e fechou o duelo com 28.
Acredite se quiser: Isso mesmo. Depois de zerar nos dois primeiros quartos, Marcelinho Machado anotou inacreditáveis 25 pontos (5/7 nos 3 pontos) somente no terceiro período e registrou o recorde de pontos em um quarto deste NBB CAIXA. Com ele no comando, o Flamengo venceu a parcial por 33 a 20 e abriu importantes 13 pontos antes de ir para o último quarto. Agora, depois dos 30 pontos, Marcelinho assumiu o posto de cestinha do campeonato, com 25,3 tentos de média.

Põe na conta: Desta forma, o Flamengo segue invicto no NBB CAIXA, agora com quatro êxitos em quatro oportunidades. Do outro lado, o estreante esquadrão mourãoense sofreu seu segundo revés em quatro partidas na competição e agora tem 50% de aproveitamento.
Garrafão forte: Não foram só os homens de fora que deram conta do recado pelo Flamengo em Campo Mourão. Com um duplo-duplo de 12 pontos e 14 rebotes, Olivinha, reboteiro deste NBB CAIXA, somou 20 de eficiência e também foi essencial no triunfo. Já o pivô JP Batista contribuiu com 11 pontos.
Trono roubado: Então cestinha da atual temporada do NBB CAIXA, o ala Betinho teve grande atuação novamente pelo Campo Mourão e deixou a quadra com 20 pontos na conta. Mesmo com a alta marca, o jogador foi ultrapassado por Marcelinho Machado (25,3) e Holloway (24,4), do Pinheiros no ranking de maiores pontuadores e agora é o terceiro da lista, com 24,0 pontos de média.
Largou na frente: O primeiro quarto teve um início bastante movimentado e acirrado. No entanto, os quatro minutos finais foram inteiros do Flamengo. Explorando bem as jogadas de garrafão, a equipe carioca abriu 11 pontos (25 a 14) e fechou o período inicial do confronto com nove pontos de frente (25 a 16).
Reação e virada: O Campo Mourão foi pro jogo no segundo quarto. Depois de ver os rubro-negros segurando a diferença na casa dos dez pontos (34 a 22), o time da casa reagiu de maneira incrível e virou o jogo. Com pontaria certeira nas bolas de 3 pontos e boa participação de Betinho, o esquadrão mourãoense emplacou uma impressionante corrida de 13 a 0 para virar o jogo (35 a 34) e incendiar o torcedor presente no Ginásio Belin Carolo.
Ele apareceu: Zerado no primeiro tempo, Marcelinho Machado apareceu no segundo tempo. E como apareceu. Com inacreditáveis 25 pontos no período (5/7 nos 3 pontos) o camisa 4 rubro-negro barbarizou a defesa do Campo Mourão e ajudou o Flamengo a não só virar o jogo, como ainda abrir 13 pontos. No total, o clube carioca venceu o terceiro quarto por 68 a 55.
Administrou: Com boa vantagem em mãos, o Flamengo soube administrar bem o resultado e ainda ampliou a diferença. Com dez pontos, Marquinhos “fechou a conta” em Campo Mourão e liderou a equipe pentacampeã do NBB CAIXA a mais uma vitória na atual temporada, a quinta em cinco jogos: 90 a 69.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

COPA DEC DE BASQUETBOL

SÃO JOSÉ DEC BASQUETE

Encerrou no último dia 22/11 a I COPA DEC DE BASQUETE categoria sub 11 na escola do Caic. Participaram ao todo cerca de 15 garotos nessa faixa etária. Em primeiro lugar ficou a equipe Amarela (Filipe, Gustavo, Igor e João Pedro), em Segundo Lugar ficou a equipe Vermelha (Murilo, Cauã, Alan, Henry e Vinícius) e em terceiro lugar ficou a equipe Branca (Juan, Caue, Filipe, Juninho e Rian). Para o técnico Hebinho, o campeonato seviu para os garotos colocaram em prática tudo que vem aprendendo e tiveram a oportunidade de vivenciar a emoção de disputar um campeonato. Todos foram premiados com medalhas e o melhor jogador do Copinha foi o atleta da equipe amarela Igor.
Na quinta feira dia 24/11 acontece as finais da categoria sub 13 e no dia 29/11 terça feira acontece as finais da categoria sub 17. 

CBB sofrerá intervenção; COB, FIBA e Ministério comandam basquete até 2020 5

Em ação inédita no basquete brasileiro, a Confederação Brasileira sofrerá intervenção nos próximos dias. Encurralada após a Federação Internacional (FIBA) suspendê-la até 28 de janeiro de 2017, restou à CBB aceitar a intervenção. Caso não topasse poderia ver a modalidade suspensa por tempo indeterminado ou desfiliada da FIBA, causando impacto em seleções e clubes, que não poderiam participar de competições internacionais.
Sendo assim, assumem o basquete até 2020 o Comitê Olímpico Brasileiro, que se reuniu na semana passada com a FIBA em Doha (Catar), o Ministério do Esporte e a própria FIBA em uma força-tarefa que terá inicialmente duração de quatro anos. Até 2020, portanto, não haverá eleição na entidade e o pleito previsto para abril de 2017 está cancelado. Com os trâmites jurídicos já em andamento, o anúncio deverá ser feito nos próximos dias. O mesmo procedimento (intervenção) foi realizado pelo COB na Confederação de Vela em 2007, também atolada em dívidas à época. De acordo com uma fonte do alto escalão do esporte ouvida pelo blog há instantes, ''a força-tarefa destes três poderes somará forças para trabalhar para o basquete brasileiro voltar a ter destaque de forma positiva no cenário internacional''.
nunes2A dúvida maior neste momento é se Nunes, presidente da entidade máxima do basquete brasileiro, renunciará ao cargo ou se sofrerá o impedimento formal por parte do Comitê. Seja como for o blog apurou que a intervenção do COB colocará em prática alguns dos principais desejos da Federação Internacional: a mudança no estatuto da CBB, fazendo com que mais eleitores sejam parte integrante do processo de votação (atualmente apenas os Presidentes de Federação elegem o mandatário da Confederação) e um planejamento de longo prazo para o esporte nacional.
cbb10Neste novo modelo de gestão haverá quatro integrantes como os responsáveis pela nova fase do basquete brasileiro. De acordo com apuração do blog dois destes já foram selecionados: Paulinho Villas-Boas, ex-jogador da seleção masculina de basquete e que trabalhou recentemente no Comitê Olímpico Brasileiro e no Rio-2016, e José Luiz Saez, ex-presidente da Federação Espanhola e o interventor designado pela FIBA para apurar a situação da CBB recentemente. Saez já viria ao Brasil na próxima semana. O grupo já possui inclusive um plano estratégico em suas mãos chamado de ''Brasil 2020″ (logomarca ao lado).
cbb1O Comitê Olímpico Brasileiro foi procurado na tarde de ontem e disse que não daria posicionamento formal em relação a situação da Confederação Brasileira. A CBB, por sua vez, informou na sexta-feira que não falaria com a imprensa.
Resta ao COB escolher como finalizar o processo da melhor maneira possível. E explico: em outubro de 2013, pouco antes do Mundial Interclubes envolvendo Pinheiros e Olympiacos em Barueri (São Paulo), houve um acordo semelhante para que Carlos Nunes se afastasse do cargo e abrisse espaço para uma força-tarefa tentar salvar a entidade. Só que Nunes não cumpriu com o prometido em uma reunião a portas fechadas em um hotel e optou por se manter como presidente da Confederação Brasileira, gerando o descontentamento da FIBA. Caso novamente haja mudança de rumo e resistência por parte do mandatário da CBB as partes (FIBA e Comitê Olímpico Brasileiro) irão se reunir novamente para tratar do caso e encontrar a melhor solução.
nunes2No final das contas, a informação é esta: Carlos Nunes não chegará ao final de seu mandato, previsto inicialmente para cessar em março de 2017. Ele deixará para a força-tarefa liderada pelo COB uma entidade com R$ 17 milhões de dívida, sem nenhuma credibilidade junto ao órgão máximo da modalidade (FIBA), com os dois clubes do país ausentes da Liga das Américas devido a suspensão (Flamengo e Bauru) e com as suas duas seleções mais novas (as Sub-15) fora de campeonatos internacionais no mínimo até 2018 (Copa América em 2017 e Mundial no ano seguinte).
Tags : CBB COB FIBA

domingo, 20 de novembro de 2016

CAMPO MOURÃO VENCE A SEGUNDA NO NBB 2016/2017

Betinho do Campo Mourão Basquete

Com grande desempenho no último quarto, Campo Mourão bate Caxias em jogo equilibrado e conquista segunda vitória consecutiva no NBB CAIXA
Banrisul/Caxias Basquete e Campo Mourão fizeram um grande jogo no Ginásio Vasco da Gama, no Rio Grande do Sul, neste sábado (19/11). Após muito equilíbrio nos três primeiros quartos, o time paranaense teve ótimo desempenho no último período e levou a melhor no duelo entre as duas equipes do Sul, pelo placar de 78 a 69. Esta foi a segunda vitória seguida da equipe no NBB CAIXA 2016/2017.
O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio master da CAIXA, o patrocínio da SKY e os apoios do Ministério do Esporte e da Avianca.
Bote certeiro: Com uma forte defesa, o esquadrão mourãoense recuperou seis bolas nos dez minutos finais e conseguiu emplacar diversos contra-ataques. Sem dar chances aos donos da casa, o Campo Mourão venceu o quarto final por 27 a 12 e não só reverteu a desvantagem que era de seis pontos (57 a 51) como ainda garantiu o triunfo com tranquilidade nos minutos finais.
Bola na cesta: O ala/armador Betinho voltou a protagonizar grande atuação e foi o grande destaque da equipe vencedora, com 25 pontos. Para construir sua alta pontuação, o jogador teve 100% de aproveitamento nos lances livres (7/7) e 60% nos tiros de dois pontos (6/10).
Só vale 25? Dono da maior média de pontos da competição até o momento, Betinho também marcou 25 pontos nas duas primeiras partidas do Campo Mourão, na derrota para a Liga Sorocabana e na vitória sobre o Vasco.
Foi decisivo: Outro nome importante do triunfo dos paranaense foi o Douglas Nunes, especialmente no último quarto. Com dez pontos na parcial final, o ala/pivô fechou a partida com 23 pontos e ainda garantiu um duplo-duplo ao apanhar dez rebotes.
Bola neles: Juntos, Betinho e Douglas totalizaram 48 pontos, número que representa 61,5% dos pontos marcados pelo Campo Mourão na partida.
Põe na conta: Com a segunda vitória seguida na conta, o time do Paraná possui agora aproveitamento de 66,6% no maior campeonato de basquete do país. Já o Caxias disputou sua quarta partida na temporada e segue sem nenhum resultado positivo.
Bem que tentou: O Caxias teve novamente como seu grande destaque o ala/pivô Arthur Bernardi. Dono de ótimas exibições nas três partidas anteriores, o jogador de 26 anos marcou 23 pontos e ainda contribuiu com oito rebotes e quatro bolas recuperadas.
Bom papel: Vindo do banco de reservas, o jovem armador Carioca foi outro a ter boa atuação pelo Caxias. Com ótimo aproveitamento nas bolas de três pontos – três acertos em cinco tentativas -, o garoto deixou a quadra com 13 pontos, além de seis rebotes e três assistências.
Lá e cá: Ao longo dos três primeiros quartos, as equipes protagonizaram um confronto extremamente equilibrado, tanto é que a liderança mudou de lado 12 vezes nos 30 minutos iniciais, e em nenhum momento a diferença no placar ultrapassou os oito pontos.
E agora? As duas equipes atuarão em casa na sequência da competição. O Caxias Basquete voltará a atuar no Ginásio Vasco da Gama e enfrentará o invicto Universo/Vitória na próxima terça-feira (22/11). Dois dias depois, o Campo Mourão receberá o atual tetracampeão Flamengo.
 por Liga Nacional de Basquete

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

CAMPO MOURÃO DO TEC. EMERSON VENCE VASGO DA GAMA PELO BRASILEIRO

Melhor impossível!

Com 15 bolas de três pontos, Campo Mourão tem grande desempenho ofensivo, não dá chances ao Vasco e conquista sua primeira vitória no NBB CAIXA
O Campo Mourão Basquete fez chover no Ginásio São Januário na noite desta quinta-feira (17/11) e conquistou sua primeira vitória no NBB CAIXA em grande estilo. Com a mão quente nas bolas de três pontos, o time paranaense superou o Vasco da Gama, por 91 a 81, no duelo entre os dois estreantes no maior campeonato de basquete do país.
O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio master da CAIXA, o patrocínio da SKY e os apoios do Ministério do Esporte e da Avianca.
De tudo quanto é lado: O grande trunfo da vitória mourãoense como visitante foi o alto aproveitamento nas bolas de três pontos, com 15 acertos em 30 tentativas (50%). Destaque para Cauê, Betinho e Pastor, que acertaram quatro arremessos de longa distância cada.
Jogaram muito: Cauê e Betinho brilharam e comandaram a expressiva vitória do Campo Mourão em solo carioca. O primeiro deixou a quadra com um duplo-duplo de 13 pontos e 12 assistências, e ainda apanhou sete rebotes. Por sua vez, o camisa 26 foi o cestinha da partida, com 25 pontos.
Recuperação em grande estilo: Esta foi apenas a segunda partida do Campo Mourão no NBB CAIXA. Em sua estreia, o time dirigido pelo técnico Emerson de Souza acabou derrotado pela Liga Sorocabana, em casa, por 78 a 73, e agora conquistou sua primeira vitória na competição.
Fala aí: “É uma vitória muito importante neste começo de trabalho para nós. A gente estreou com uma derrota em casa para a Liga Sorocabana, em uma partida que não jogamos bem. Sentimos um pouco o peso da estreia no sábado, mas hoje jogamos mais soltos e conseguimos fazer uma grande partida”, disse Betinho
“Jogamos um basquete solto, com todo mundo pontuando, e ganhar assim é melhor ainda. Nossa principal arma é o coletivo e o Emerson (técnico) vem nos cobrando muito para rodar a bola. Temos mais dois atletas norte-americanos que ainda não estrearam e tenho certeza que nosso time ainda vai evoluir”, completou o jogador, que também marcou 25 pontos na estreia.
Boa estreia: Após ficar de fora das duas primeiras partidas, David Jackson enfim estreou pelo Vasco no NBB CAIXA e não decepcionou. Com 18 pontos, o ala norte-americano foi o cestinha da equipe e ainda garantiu seis rebotes.
Cauê, do Campo Mourão, e Nezinho, do Vasco
Cauê, do Campo Mourão, e Nezinho, do Vasco (Carlos Gregório/Vasco )
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
  • Miniatura
Segunda seguida: Em sua terceira partida na competição, o Vasco sofreu o segundo revés consecutivo. Após abrir sua campanha com vitória sobre o Minas, a equipe também foi derrotada pelo UniCEUB/Cartão BRB/Brasília no último sábado.
Eletrizante: Durante o primeiro tempo, as equipes fizeram um confronto bastante equilibrado e a liderança mudou de lado em nove oportunidades. Para terminar à frente por 38 a 33, o Campo Mourão contou com ótimo aproveitamento nas bolas de três pontos – sete acertos em 15 tentativas (46,7%).
No comando: Na volta do intervalo, Campo Mourão conseguiu ampliar sua vantagem. Com mais seis bolas de três pontos no terceiro quarto, sendo duas de Betinho e outras duas de Pastor, a equipe visitante colocou rapidamente a diferença no placar em dígitos duplos e chegou ao último período vencendo por 67 a 56.
Segurou bem: Com seu ataque funcionando muito bem, os paranaenses chegaram a colocar a diferença no placar próxima da casa dos 20 pontos. Nos minutos finais, com grandes lances de Marcellus, o Vasco diminuiu o prejuízo, mas não evitou o revés em sua estreia como mandante no NBB CAIXA.
E agora? Vasco e Campo Mourão voltarão à quadra no próximo sábado (20/11). Novamente em São Januário, o clube cruz-maltino receberá o Mogi das Cruzes/Helbor, às 14 horas, com transmissão ao vivo da Band. Já o time paranaense irá até o Rio Grande do Sul para enfrentar o Banrisul/Caxias Basquete, às 17 horas.
Velhos conhecidos: Estreantes do NBB CAIXA nesta temporada, cruz-maltinos e paranaenses protagonizaram a decisão da última edição Liga Ouro. Na ocasião, o Vasco levou a melhor, por 3 a 2, e garantiu o acesso à elite do basquete nacional com o título da Divisão de Acesso.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

FIBA SUSPENDE A CBB ATÉ JANEIRO 2017.

Nesta altura dos acontecimentos você já sabe que a Federação Internacional de Basquete, a FIBA, suspendeu no mínimo até 28 de janeiro de 2017 o basquete brasileiro INTEIRO (seleções + clubes) por conta da péssima administração da Confederação Brasileira. Confederação Brasileira que, inacreditavelmente, emite uma Nota Oficial demonstrando surpresa com o ocorrido. Deve ser alguma brincadeira que não pesquei, só pode.
Explicando o que isso significa para os que não conseguiram pescar o tamanho da gravidade de coisa: nenhum clube ou seleção brasileira entra em quadra fora da fronteira. Para ficar em dois exemplos vale dizer que as eliminatórias do Mundial Masculino de 2019 e a Copa América Feminina que classifica para o Mundial Feminino de 2018 começam no próximo ano. Caso a suspensão seja prorrogada as consequências podem ser realmente surreais para a modalidade. Está claro: o dia de ontem foi o mais triste da história do basquete brasileiro. Não por uma derrota na quadra, mas sim por ter sido uma derrota final de um modelo de gestão falido, de um presidente cuja credibilidade é menor que 0 e de seus comandados tão ruins quanto ele (de assessor de imprensa que prega a censura, a chefe de departamento técnico que diz que está tudo bem quando a água já está batendo no pescoço, a diretor financeiro que afirma que dinheiro público não vale). Todos realmente iguais – ruins, coniventes, pouco críveis, usuários de métodos intimidatórios pouco recomendáveis contra quem os critica e tudo mais de péssimo que possa existir em termos de gestão e educação.
nunes7Para quem lê este blog há algum tempo não há surpresa (apenas a Confederação ficou surpresa, né…). A CBB deve a alma (mais de R$ 17 milhões – obrigado, Professor Scarpin), deixa de ir a competições por falta de verba, não organiza campeonatos que se comprometeu a fazê-los e deixa um rastro de pagamentos não realizados por todos os cantos.
Em português claríssimo: a entidade máxima do basquete brasileiro morreu. A CBB coberta de esparadrapos passou do estágio da CTI para, infelizmente, o de fechamento das portas. A FIBA não reconhece mais a Confederação, e se tivesse um mínimo de vergonha ou senso do ridículo (algo que não o tem) Carlos Nunes, o presidente da morta CBB, pediria as contas nesta terça-feira deixando não só dívidas mas também consequências bizarras e tristes para os clubes do país.
nunes2
Flamengo e Bauru estão, de cara, suspenso da Liga das Américas devido a falta de competência da Confederação Brasileira e Mogi só não entra no mesmo balaio porque já disputa a Liga Sul-Americana há mais de um mês. Para Nunes não basta ser ruim no minifúndio que ele comanda. Nunes é um ruim espaçoso, prolongando os seus tentáculos incompetentes até mesmo para uma Liga Nacional de Basquete (a organizadora do NBB) que tenta fazer um bom trabalho por aqui. Quero apenas, antes de seguir, deixar claro que sou completamente contra o que a FIBA fez ao punir as agremiações que ainda tentam fazer basquete de qualidade no país, mas infelizmente estas são as regras do jogo (as do estatuto da Federação Internacional), a hierarquia é clara (Federação Internacional, FIBA Américas e CBB, que CHANCELA a Liga Nacional) e não cabe outra coisa que não aceitar e lamentar.

nunes3Mas, bem, voltando, agora a questão é saber o que será do amanhã no basquete brasileiro. São muitas perguntas e poucas respostas, na verdade. Será formada mesmo uma Comissão por parte da FIBA para organizar a casa? O espanhol Jose Luiz Saez voltará ao país para isso? As eleições da CBB serão antecipadas? Carlos Nunes será deposto do cargo ou pedirá demissão do mesmo? Alguém da tal comunidade do basquete vai se insurgir contra um cada vez mais fragilizado Nunes para tentar reformatar a Confederação? Os atletas falarão algo de realmente útil ou continuarão com muito, muito, muito medo de fazer qualquer coisa? A Liga Nacional, afetada por conta da incompetência alheia, vai realmente emudecer?
nunes2
Choco-me com essa anestesia do basquete brasileiro, mas não me surpreendo mais porque sei que o meio é absurdamente contemplativo. De dirigentes, passando por jogadores, imprensa e até mesmo torcedores, quase ninguém cobra como deveria. De todo modo, o que vemos é reflexo do que somos. Quem tem Carlos Nunes como presidente há oito longos anos não pode querer nada de diferente daquilo que estamos vendo. O basquete, pra quem não conhece, é um meio absurdamente sujo (MUITO sujo), retrógrado, medroso, melindrado e que pensa muito mal (e em doses homeopáticas). Os poucos que tentaram mudar a ordem das coisas foram extirpados e / ou sugados para o lado ruim da força. De todo modo, ninguém aqui é maluco de dizer que o que aconteceu nesta segunda-feira foi ''normal''. Não, não foi. O dia 14 de novembro de 2016 foi bem triste para a modalidade. O dia em que o órgão máximo do esporte mundial (a FIBA) disse pro planeta inteiro ouvir: ''Meus caros colegas da CBB, vocês estão fazendo uma besteira atrás da outra e a gente não aguenta mais. Grande abraço e passem bem''.

cbb1Ontem foi a morte portanto. Muita gente com quem conversei me disse de forma convicta (ou otimista) que hoje, 15 de novembro, a proclamação da república do país por coincidência, é o dia do renascimento do basquete brasileiro. Que será o primeiro dia de um novo ciclo.
Adoraria acreditar nisso, mas a verdade é que não consigo. Ainda não consigo ver uma luz no fim do túnel justamente por não saber quem irá comandar a Confederação a partir de amanhã ou pós-eleição de 2017. Mais do que um presidente, o basquete brasileiro precisava mesmo é de uma revolução mental, estrutural e de ideias. Continuar pensando que dá pra gerenciar a segunda modalidade mais popular do planeta como se fazia há 40, 50 anos é um erro que não dá mais pra cometer. Não dá, mas é exatamente isso que faz a CBB ''gerencia'' o esporte há duas décadas.
Pobre basquete brasileiro. Morto ontem. Sem rumo hoje. Indecifrável no futuro.
*FONTE : http://balanacesta.blogosfera.uol.com.br

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

RIO PARDO FC/DEC VENCE ITAPIRA NA ÚLTIMA RODADA


A equipe sub 17 do RIO PARDO FC /DEC venceou no último dia 31/10 em São José a equipe da AABI/Itapira pelo placar de 72 a 65. Mesmo com a vitória a equipe não conseguiu classificar entre as quatro finalista, ficando em quinto lugar dentre as oito equipes que participaram do campeonato, com a campanha de 7 vitórias e 7 derrotas. O técnico Hebinho apesar da desclassificação ficpou contente com o resulta da equipe. No ano passado ficamos em quarto lugar na Série Prata e nono lugar na classificação Geral, nesse anos subimos para quinto lugar no geral dentre as 13 equipes que disputaram a as séries ouro e prata. ficamos de fora por diferença de uma vitória, mais mesmo assim conseguimos fazer o nosso melhor e saímos de cabeça em pé. Os quatro finalista são AEM/Mococa, Gan São João/Limeira, CCP/Piracicaba e Itatiba.
Durante o campeonato defenderam o clube os atletas, Gabriel, Diego, Lucas, Igor, Vinícius, Samuel, Octávio, Gustavo, Bruninho, Tellison, Leonardo, Carlos, Rhaduan, Ruan e José Paulo Jr.

FINAIS DA COPA DIFUSÃO DE BASQUETE

As finais da COPA DIFUSÃO DE BASQUETE 2017, categorias sub 10 e sub 12 masculino e sub 12, sub 13  e sub 15 feminino, aconteceram ne...